Criar filhos emocionalmente saudáveis é uma tarefa bastante desafiadora nos dias de hoje.

A correria do dia a dia, a necessidade de dar conta de diversos afazeres e mesmo as influências externas podem dificultar ainda mais este processo, fazendo com que os pais se sintam perdidos sobre como comunicar-se de forma assertiva e manter-se em conexão com seus filhos.

A verdade é que não existe receita que garanta o sucesso dessa jornada. Cada família é única e cada indivíduo é único e especial também.

Mas existe uma linguagem universal que há séculos une pais e filhos e é fundamental para o desenvolvimento de pessoas seguras, saudáveis e felizes: O AMOR ❤️

E é sobre este tema que trata o livro “As 5 Linguagens do Amor das Crianças”, de Gary Chapman e Ross Campbell.

Com base nos ensinamentos dos autores, a Harmonie Instituto preparou, em parceria com a Psicóloga Anita Gavioli (CRP 06/70832), uma série de posts sobre o tema em nosso Instagram, contando quais são as 5 Linguagens do Amor percebidas pelas crianças e trazendo exemplos práticos de aplicação, com técnicas valiosas para melhorarmos a nossa comunicação com os pequenos.

Vamos descrever aqui em nosso blog para você conhecer e aplicar na vida.

1ª Linguagem do Amor:

Toque físico

O toque físico é um ato de dar carinho através do qual os pais podem comunicar seu amor pelos filhos. As crianças precisam desse contato que é fundamental para o desenvolvimento emocional desde o nascimento. Muitas pesquisas apontam que bebês que são carregados no colo e recebem carinho desenvolvem uma vida emocional mais saudável do que aqueles
que são deixados sozinhos por muito tempo, sem contato físico. Os filhos sentem-se seguros, amados e acolhidos quando essa linguagem está presente de forma natural e carinhosa. Um abraço quando a criança sai para a escola ou você volta do trabalho pode fazer uma grande diferença! Mas linguagem do toque não se restringe a abraços e beijos, há diversas oportunidades em nosso dia a dia para nos conectarmos através do contato físico.
Alguns exemplos divertidos e carinhosos que voce pode experimentar:
– Gestos do tipo “toca aqui” como sinal de incentivo ou comemoração por algo bom que seu filho tenha feito

– Jogos, esportes ou brincadeiras que demandem contato corporal como pega-pega, por exemplo

– Brincar de cosquinhas (desde que a atividade não se torne irritante para a criança)

– Convidar a família inteira para um abraço em grupo

– Cobrir seu filho ao colocá-lo para dormir.

Há inúmeras maneiras de expressarmos nosso amor através dessa linguagem. Consegue pensar em um exemplo que esteja presente em seu dia-a-dia?

Segunda linguagem do amor:

Palavras de afirmação

A comunicação positiva é um dos principais aspectos para uma interação bem sucedida entre pais e filhos. As palavras são meios poderosos de comunicarmos aos nossos filhos o quanto os amamos e nos importamos com eles.
Palavras de afeto e carinho, palavras de elogio e encorajamento, palavras positivas de orientação, mesmo que ditas rapidamente não costumam ser esquecidas com facilidade e podem trazer benefícios para a vida inteira. Por outro lado, palavras negativas proferidas em situações de frustração podem prejudicar a auto estima da criança e levantar dúvidas sobre a capacidade dela. O volume e o tom da voz dos pais exercem influência na reação da criança. Falar de forma calma com os filhos mesmo quando estamos irritados pode parecer desafiador, porém é uma habilidade que todos os pais têm a capacidade de aprender. Fazer perguntas sempre que possível ao invés de dar ordens é uma estratégia que pode ajudar
nesse aprendizado. Palavras de encorajamento são eficazes quando apontam um esforço específico do filho e contribuem bem mais para aumentar o repertório de bons comportamentos do que simplesmente apontar algo indesejado que ele tenha feito. É importante que os pais expressem amor emocional aos filhos por meio de orientações
verbais positivas. Por mais que a proibição faça parte de uma orientação, não deve ser o elemento predominante. O negativo é necessário apenas como parte da orientação dada aos filhos. Para pais muito críticos que utilizam de palavras severas, nunca é tarde para romper antigos padrões e criar novos modelos. Enviar uma mensagem de texto para seu
filho, deixar um bilhete em sua mochila ou elogiar seu filho por algo bom que ele tenha feito são algumas das muitas ideias que você pode tentar e que seu filho certamente irá apreciar.

Terceira linguagem do amor:

Tempo de qualidade

Para um desenvolvimento emocional saudável é imprescindível que as crianças tenham tempo de qualidade com seus pais e/ou cuidadores. Os filhos desejam a atenção exclusiva dos pais. Muitos dos comportamentos indesejáveis podem corresponder a tentativa da criança de conseguir mais tempo com o pai os com a mãe, pois muitas vezes, até a atenção negativa parece ser melhor que nenhuma atenção. Por isso, quando falamos em tempo de qualidade com os filhos, devemos pensar no conceito de atenção exclusiva e concentrada.

Sabemos que em uma rotina com tantas demandas, muitas vezes não é facil encontrar tempo para estar a sós com os filhos, porém isso é essencial, além de ser um investimento no futuro deles e de sua família. Para quem tem mais de um filho, é importante encontrar momentos exclusivos com cada um deles. A presença do pai ou da mãe junto a criança ou adolescente transmite a mensagem de que ele é importante e amado. Para ter tempo de
qualidade com seu filho, não é necessária uma ocasião ou lugar especial, pois o mais importante não é o acontecimento em si, mas o fato de pais e filhos fazerem algo em comum. Esse tempo não significa apenas realizar atividades junto com seu filho, é também uma maneira de o conhecer melhor. Olhe nos olhos do seu filho e invista seu tempo em
conversas saudáveis e de qualidade, não limite as conversas apenas aos momentos de disciplina. Essa comunicação além de importante, ajudará seu filho nos relacionamentos futuros. Lembre-se: ao passar tempo com seus filhos, você está criando memorias para a vida inteira, sendo assim você pode contribuir para que essas memórias sejam saudáveis, motivadoras e felizes!

Quarta linguagem do amor:

Presentes

O ato de dar e receber presentes, quando feito de maneira sincera, pode ser uma forte expressão amorosa. Presentes significativos tornam-se símbolo de amor, não apenas no momento em que são dados, mas por muitos anos depois. É importante que os presentes tenham um propósito positivo na vida dos filhos e que sejam oferecidos de maneira única e criativa, de forma que eles possam lembrar que são amados ao verem o objeto. Quem se
lembra ou guarda com carinho algo especial que tenha recebido de seus pais durante a infância? Os presentes podem ser expressões genuínas de amor e devem ser significativos ao invés de impressionantes. Podemos ensinar aos nosso filhos que o ato de dar presentes tem pouco a ver com o tamanho ou valor. Para as crianças de forma geral, pouco importa se
o presente foi feito em casa ou comprado, o mais importante é saber que os pais pensam nela. No entanto, devemos ter cuidado, pois, podemos transmitir mensagens confusas se exagerarmos nos presentes ou os oferecermos de forma condicional. É importante que os presentes tenham um proposito na vida do seu filho e não sejam substitutos de amor
sincero, pois isso traria consequência para a integridade das crianças. Tenha em mente que, para expressar amor verdadeiro, os presentes devem representar mais que objetos materiais e sempre que possível, procure presentear com itens que se adaptem aos interesses dos seus filhos.

Quinta linguagem do amor:
Atos de serviço

Para os autores de “As cinco linguagens do amor das crianças”, criar os filhos é uma vocação orientada para o serviço. No tempo em que você descobriu que teria um filho, assumiu um trabalho de tempo integral. O que vocês acham? Concordam com essa afirmação?

Ter filhos exige muito de nós, tanto física quanto emocionalmente, portanto, antes de tudo, devemos prestar muita atenção a nossa saúde com um todo. Estando bem conosco, podemos servir aos filhos com compaixão e amor genuíno. Conforme crescem, os filhos percebem cada vez mais o que os pais fazem e conseguem reconhecer o que fizeram por eles no passado. Os atos de serviços aos filhos podem se tornar um modelo de responsabilidade, contribuindo para a independência da criança. Estabelecendo esse modelo, ajudaremos nossos filhos a desenvolver suas próprias habilidades, a seguir seus próprios interesses e a se tornar
pessoas melhores. Contribuir para que o filho desenvolva autonomia e independência entretanto, não significa que eles tenham que descobrir tudo por conta própria, é preciso estarmos atentos a capacidade da criança. Da mesma forma, é importante que os pais façam para seus filhos apenas as coisas que eles ainda não são capazes de realizar sozinhos.
Assim como os presentes, os atos de serviço devem ser usados com cautela, de forma apropriada e em conjunto com as outras formas de expressar amor. Somos modelo para nossos filhos, desta forma, pais que se doam aos filhos somente quando aprovam o comportamento deles, praticam atos de serviços condicionais e passam a mensagem de que só devemos ajudar em troca de uma recompensa. Isso não significa que temos que atender
a todo a qualquer pedido dos nossos filhos, mas que devemos ser sensíveis a eles e avaliar cada pedido de forma criteriosa e amorosa. Quando oferecemos ajuda com atitude carinhosa e positiva nos comunicamos com as crianças em nível emocional. Servir e ajudar aos filhos é um ato de amor!

Esperamos que essas informações possam contribuir positivamente na relação com seus filhos.

Muito obrigada

Equipe Harmonie

Categorias: Destaques